Porquê está o Maio ameaçado?

Porquê está o Maio ameaçado?

turtle_remainsAs plantas e animais das ilhas oceânicas são normalmente sujeitas a um aumento da pressão devido ao desenvolvimento turístico e urbano. Muitos desses desenvolvimentos são alimentados pela expectativa de que os turistas podem trazem prosperidade e novas oportunidades para a população local. O turismo, especialmente se não for planeado cuidadosamente, pode ser prejudicial para a biodiversidade local.
O Maio não foge à regra. Nos últimos anos, a construção de acomodações para os turistas por parte de grandes empresas tem aumentado na ilha, muitas vezes contra a vontade da população local, que tem uma grande orgulho na tranquilidade da sua ilha e que se preocupa com a possibilidade do aumento do turismo fazer aumentar a violência, como já ocorreu noutras ilhas de Cabo Verde (Santiago, Sal e Boavista por exemplo). O aumento do turismo poderia também conduzir à destruição de habitats que são ricos em biodiversidade e ao mesmo tempo vulneráveis. Certamente aumentará a presença de turistas nas praias e em todo o ambiente natural em geral.. Esse aumento do turismo pode ser uma faca de dois gumes: enquanto que o turismo de massa e o desenvolvimento não controlados podem ser catastróficos para a ilha e para a sua biodiversidade; o turismo controlado (criação de trilhos na Salina por exemplo – para mais informação por favor consultar (“Nossas actividades”) pode vir a ser uma fonte preciosa de receitas para a ilha e para a Fundação.
protect_turtlesUma outra ameaça para a biodiversidade no Maio concentra-se directamente na tartaruga-vermelha ou cabeçuda (Caretta caretta). Estes animais nidificam nas praias da ilha. A destruição acidental dos ninhos por pessoas que frequentam as praias, bem como a apanha intencional de ovos para o consumo, constituem uma grande ameaça para essa espécie.
Para além disso, pelo que a população local tem observado nos últimos anos, existe um grande risco de sobre exploração dos recursos pesqueiros nas águas do Maio. A falta de monitorização dos pescadores e do seu pescado dificulta a avaliação da situação. É urgente conduzir estas investigações antes que as populações piscícolas decaiam a um nível que torne a sua recuperação impossível.
Finalmente, processos globais como a desertificação e o aquecimento global terão também influências para a biodiversidade no Maio, porém esses efeitos ainda não foram documentados.